Cura do roncoFoi-se o tempo em que roncar era considerado apenas curioso, engraçado ou desagradável para que dormisse por perto. Se por um lado sabemos que por trás do ronco pode haver uma doença potencialmente fatal (apneia do sono), por outro temos atualmente condições de levar a quase todos a cura do ronco. Veja como.

O RONCO

O ronco é o ruído causado pela vibração da mucosa e dos músculos da garganta durante o sono. Dormimos para descansar nossos músculos e órgãos, que não têm a capacidade de funcionar 24 horas sem descanso. A medida que aprofundamos no sono nossos músculos se tornam mais e mais relaxados. Em pacientes predispostos, esse relaxamento muscular faz com que essa área se obstrua, levando a vibração dos tecidos e o consequente ronco. Com o agravamento do quadro, essa obstrução pode se tornar total por alguns segundos, levando a doença conhecida como apneia obstrutiva do sono.

O DIAGNÓSTICO

Roncar uma ou outra noite, após um dia muito extenuante, estando gripado ou após a ingesta de bebidas alcoólicas pode ser normal, mas quando o ronco se tona presente em todas (ou quase todas) as noites, é hora de investigar. Nenhum ronco nesse nível pode ser considerado “da pessoa” e é muito provável que nesse estágio já estejam acontecendo prejuízos importantes à saúde.

É então a hora de procurar um médico (otorrinolaringologista, neurologista ou pneumologista) que trata dos distúrbios respiratórios do sono. Nessa consulta será fundamental o exame completo da via aérea em busca de obstruções (desvios do septo, pólipos nasais, rinite alérgica, amígdalas e adenoides hipertrofiadas) que expliquem a existência do ronco. Em outros pacientes a obstrução pode estar relacionada a alterações ortodônticas e do esqueleto facial, podendo ser necessária a avaliação multidisciplinar envolvendo dentistas, fonoaudiólogos e médicos de outras especialidades. A obesidade também é causa frequente de obstrução da via aérea, uma vez que o acúmulo de gordura no pescoço e ao redor da garganta contribui para que a mesma se feche durante o sono.

O exame mais importante e decisivo na investigação do ronco é a polissonografia, quando vários parâmetros respiratórios e neurológicos são monitorados durante uma noite inteira de sono. A polissonografia permite classificar a gravidade do distúrbio obstrutivo do sono e verificar a presença da apneia do sono. A partir do seu resultado, completa-se a investigação e pode-se pensar no melhor tratamento para cada caso.

A SOLUÇÃO

Não existem milagres em nenhum tratamento médico e não é diferente para a cura do ronco. Entretanto é quase certo que qualquer um se livre dosse mal seguindo um ou mais dos cinco passos a seguir.

  1. Perder peso. A obesidade é um dos problemas mais sérios na saúde dos brasileiros. Muitos paciente podem se curar do ronco apenas voltando ao seu peso ideal, enquanto em outros a obesidade é fator secundário.
  2. Medidas gerais. Evitar ir para a cama tendo se alimentado ou ingerido bebidas alcoólicas nas 3 horas anteriores. A alimentação a noite deve ser leve e de fácil digestão. Dormir de preferência de lado e evitar a posição de barriga para cima.
  3. Aparelho intraoral. Alguns pacientes podem se beneficia de um aparelho feito por dentista especializado. O aparelho intra oral não se aplica à todos os casos.
  4. Cirurgias. Existem diversos procedimentos cirúrgicos para tratamento do ronco, como a septoplastia, turbinectomia, a amigdaletomia, a uvulopalatoplastia, a remoção de pólipos nasais, a sinusectomia e ainda os implantes palatais. A escolha da cirurgia ideal depende da presença de fatores obstrutivos em diversos níveis da via aérea, devendo cada caso ser discutido com o otorrinolaringologista.
  5. CPAP. Trata-se de um aparelho introduz o ar ambiente sob pressão através de uma máscara na face e deve ser utilizado durante todo o sono. O CPAP está indicado para os casos mais graves de ronco, principalmente com apneia obstrutiva do sono, ou quando não é possível nenhum outro tratamento.

Ultimamente vêm sendo desenvolvidos alguns implantes estimuladores com o objetivo de evitar o relaxamento dos músculos da garganta durante o sono. Embora ainda não estejam disponíveis no Brasil, eles podem ser a esperança de um tratamento menos desconfortável e mais eficaz.