OTOSCLEROSE: perguntas e respostas do Dr. Luciano Moreira, Otorrino

perguntas e respostas sobre otosclerose

Recebo muitas perguntas pelo Instagram, e muitas delas são bem interessantes. A otosclerose ainda traz inúmeras dúvidas de todos os tipos. Portanto, costumo abrir uma caixinha de perguntas naquela rede social para estar em contato mais direto com pacientes e leitores. Desse modo, consigo ajudá-los com mais informações.

Mas não esqueça: nada substitui a consulta com um otorrinolaringologista, ok?

O que é Otosclerose?

A otosclerose (ou otospongiose) é uma doença considerada hereditária autossômica dominante de penetrância imcompleta e expressão variada.

A doença é hereditária por ser herdada dos pais aos filhos.

Autossômica quer dizer que os genes que carregam esse defeito não são aqueles que determinam o sexo da pessoa, sendo portanto uma doença que pode acometer tanto homens quanto mulheres.

O termo “dominante” (contrário ao termo “recessivo” na genética) quer dizer que basta que a pessoa herde um gene defeituoso da otosclerose, do pai ou da mãe (sem precisar ser dos dois) para que ele possa desenvolver a doença.

E por fim “de penetrância incompleta e expressão variada” nos diz que mesmo tendo alguém herdado esse gene defeituoso, ele não desenvolverá obrigatoriamente a doença, e nos que a desenvolvem, podem apresentar diferentes níveis de gravidade. Como se vê os termos da genética assustam mas no fim das contas fazem sentido e explicam bastante sobre a doença.

Na otosclerose mista pode ser indicado implante coclear?

Poderia, caso a perda seja em grau severo a profundo e aparelhos auditivos não ajudem. Mesmo assim, em casos como esse pode haver indicação de se fazer uma estapedectomia para melhorar um pouco a audição e permitir o uso de aparelhos auditivos.

Na otosclerose coclear é indicado cirurgia?

Na otosclerose coclear, certamente não. Já na perda mista (em que há acometimento do estribo e também da cóclea) podemos indicar a cirurgia em casos bem selecionados.

Tenho otosclerose e uso aparelho auditivo. Posso perder audição após a cirurgia de estapedectomia?

Existem apenas três tipos de otosclerose: Fenestral (do estribo), Coclear (com perda auditiva neurosensorial) e Mista (uma soma das duas anteriores.

A possibilidade de perda auditiva existe de duas formas. Primeiro, a própria cirurgia pode causar a perda (isso é bastante incomum em mãos de cirurgiões experientes). Segundo, uma perda auditiva neurosensorial pelo acometimento coclear da doença ao longo dos anos (em cerca de 10% dos casos).

Na otosclerose mista pode ser indicado implante coclear?

Poderia, caso a perda seja em grau severo a profundo e aparelhos auditivos não ajudem. Mesmo assim, em casos como esse pode haver indicação de se fazer uma estapedectomia para melhorar um pouco a audição e permitir o uso de aparelhos auditivos.

A otosclerose é hereditária?

Uma grande parte dos casos de otosclerose é hereditário, mas não todos.

Como saber a hora certa de fazer a cirurgia de otosclerose?

Consideramos o estágio de desenvolvimento da doença e os resultados de alguns testes auditivos. É uma decisão que leva em conta a conjugação de algumas variáveis individuais. Por isso é fundamental consultar um otorrinolaringologista.

Quem já fez a cirurgia de otosclerose sem sucesso pode fazer implante coclear?

A princípio, sim. Mas isso precisa ser avaliado meticulosamente através dos exames auditivos e de imagem. Temos vários pacientes implantados cocleares por otosclerose que acabaram perdendo a audição anos ou décadas após a estapedectomia. Mas esse não é o destino da maioria.

Alguma novidade científica sobre otosclerose?

Pequenas novidades marginais: a evolução das próteses de estapedectomia, o advento da cirurgia endoscópica com sua nova forma de visualização e o uso de medicamentos bifosfonados em casos muito bem selecionados. Mas ainda não temos nenhuma novidade nas últimas décadas que tenha mudado de forma decisiva a forma de tratar a otosclerose.

Existe otosclerose na infância?

Os casos de otosclerose na infância são mais que raros, são excepcionais!

Em algum momento a otosclerose estabiliza?

Como se trata de uma doença degenerativa, a tendência é que ela sempre avance. Mas isso ocorre em velocidades bem variáveis, podendo haver períodos longos sem piora relevante da audição.

Aparelhos auditivos retardam a otosclerose?

Não. A otosclerose é um processo degenerativo ósseo e o uso de aparelhos não faz nada por isso. Mas a reabilitação auditiva (por aparelhos ou cirurgias) é uma forma de prevenir uma série de complicações relacionadas à perda auditiva não tratada.

A otosclerose é hereditária?

Uma grande parte dos casos de otosclerose é hereditário, mas não todos.

Quem tem otosclerose deve usar alendronato sempre para evitar a piora?

NÃO. O alendronato tampouco deve ser utilizado em todos os casos de otosclerose.

Os alendronatos previdem que a otosclerose avance do estribo para a cóclea?

Os bifosfonados (classe de medicamentos do alendronato) são capazes de paralisar o metabolismo ósseo e assim impedir em grau variável o avanço da otosclerose e de outras doenças ósseas de caráter degenerativo. Entretanto, isso gera alguns riscos e o seu uso não está indicado de rotina.

Tenho otosclerose e o alendronato piorou minha audição

O mais provável é que sua audição tenha piorado pela progressão natural da otosclerose que o alendronato não foi capaz de impedir.

TEM MAIS PERGUNTAS SOBRE OTOSCLEROSE?

Siga o Dr. Luciano Moreira no Instagram e acompanhe seus conteúdos sobre este tema.

 

LEIA MAIS

SIGA DR. LUCIANO MOREIRA NAS REDES SOCIAIS

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

Dr. Luciano Moreira

Dr. Luciano Moreira – CRM-RJ 65192-3

Dedicado à divulgação das novidades da especialidade, especialmente no tratamento da surdez, implante coclear, cirurgia do nariz e otorrinolaringologia infantil.

Outros Posts

Categorias

Open chat
1
Precisa de ajuda?
Marque sua consulta com Dr. Luciano Moreira