Ronco e divorcioJá falei bastante por aqui dos malefícios do ronco e da apneia do sono e dos tratamentos disponíveis para tais problemas. Mas minha motivação de hoje vem de Carlos, advogado de 40 anos que me procurou recentemente, abatido pela separação da esposa, com quem tem dois filhos pequenos. Segundo ele, seus roncos à noite, que ele insistiu em não cuidar durante o casamento, foram um dos motivos para que a esposa pedisse a separação.

A história pode parecer estranha, mas está longe de ser raridade. Segundo a psicóloga e pesquisadora Amie Gordon da Universidade de Berkeley na California, que pesquisou o impacto da qualidade do sono nos relacionamentos, o sono com interrupções frequentes e de má qualidade tende a deixar o casal em menor sintonia, promovendo o egoísmo e uma menor preocupação com as necessidades do parceiro. Numa pesquisa da instituição americana National Sleep Foundationdescobriu-se que nos EUA, cerca de 12 % dos casais dormem em camas separadas e que a satisfação no casamento parece estar diretamente ligada a a qualidade do sono. O ronco é um sinal de obstrução da via aérea, sendo um dos principais sintomas da apneia obstrutiva do sono. Nem todos os pacientes que roncam têm apneia, mas quase todos os portadores da apneia do sono, roncam. Alem de todas as consequências e riscos já conhecidos da apneia do sono, está a diminuição da libido, o que pode afetar ainda mais a qualidade do casamento.

Dentre as dificuldades de se construir um relacionamento duradouro e feliz, um ponto frequente de discórdia é a atenção que cada um dedica à sua saúde. Entretanto, no que envolve ronco e apneia, não cuidar de si também é uma forma de desrespeito ao outro e ao casamento e pode acabar sendo motivo para o divórcio.

Luciano Moreira – Otorrinolaringologista