De Paris – Dediquei meu segundo dia do IFOS 2017 aos robôs que fazem implante coclear, ouvindo a exposição dos diferentes grupos que estão à frente das pesquisas.

Resumindo, por enquanto os robôs servem apenas para aumentar estratosfericamente os custos (já altos) da cirurgia e não trazem vantagens.

Vamos torcer que a lógica da automação em geral (aumento da produtividade e segurança, com redução dos custos) chegue  um dia também à medicina.