Otites de Repetição

Muitas crianças passam por um ou mais episódios de dor de ouvido causados por otite média até os 5 anos de idade. Na grande maiorias das vezes, essas otites se resolvem espontaneamente. Nos casos mais sérios, elas são tratadas com antibióticos orais. Mais raramente entretanto, esses episódios repetem-se muitas vezes, ou tornam-se crônicos. Esses casos podem gerar complicações, como perda auditiva, atraso no desenvolvimento e no processamento cerebral da linguagem. Também podem surgir alterações no comportamento. Complicações mais sérias e com risco de vida ou são bastante raras, mas possíveis (quadro abaixo). Nesse cenário surge o “carretel”, ou tubo de ventilação como uma arma importante na para o tratamento ou prevenção. Seu uso também está indicado em adultos

COMPLICAÇÕES DAS OTITES MÉDIAS
Atraso da fala
Meningite
Paralisia facial
Abcesso cerebral
Mastoidite
Trombose do seio sigmoide
Labirintite infecciosa
Fístula labiríntica
Petrosite

O que é o tubo de ventilação?

Modelos de tubos de ventilação

Tubo de ventilação é um pequenino cilindro no formato de um carretel, que funciona como um dreno comunicando suas extremidades. Desta maneira, eles estabelecem uma comunicação entre os dois lados do tímpano. Eles são feitos de diferentes materiais e podem ser de curta ou longa permanência. Com isso, a parte interna do tímpano, chamada orelha média, fica permanentemente aerada através do tubo, evitando o acúmulo das secreções causadoras das otites. Eles também são usados para evitar equalizar a pressão da orelha média, evitando as retrações timpânicas. Os tubos de curta permanência são colocados para permanecer em média 6 a 12 meses nos ouvidos enquanto os de longa permanência são usados para permanecer por  anos ou por prazo indeterminado.

Quem precisa de tubos de ventilação.

  • Otites de repetição: Crianças e adultos com quadros de dor de ouvido recorrentes, com uso de antibiótico várias vezes ao ano.
  • Otite média serosa, otite médica secretora (acúmulo de secreção ou ouvido médio, atrás do tímpano): Quadros que pode acontecer em todas as idades. Além de causar perda auditiva e poder prejudicar o desenvolvimento das crianças, pode causar também zumbido, tonteira e alteração do equilíbrio.
  • Aplicação de medicação tópica na orelha média: o uso de medicação intratimpânica tem ganhado espaço no tratamento de algumas doenças do ouvido interno como surdez súbita e a síndrome de Ménière. Nesses casos o tubo de ventilação pode fornecer um canal adequado para aplicação de corticoides ou antibióticos.
  • Disfunção da tuba auditiva: o bom funcionamento da tuba auditiva (que liga o ouvido médio ao fundo do nariz) é fundamental para a saúde do ouvido médio. Ela também ajuda em mudanças de pressão ambiente,  como em viagens aéreas, mergulhos e descidas de serras e montanhas. Pessoas que apresentam dor com frequência em viagens de avião normalmente podem se beneficiar dos tubos de ventilação.

Como é o procedimento para colocar o tubo de ventilação?

Nos adultos, a colocação do tubo de ventilação pode ser feita em consultório utilizando o videoendoscópio ou o microscópio. Já em crianças costumamos fazer em ambiente hospitalar. O procedimento dura poucos minutos. Após a anestesia (geral ou local) e com visualização videoendoscópica ou microscópica, fazemos uma incisão na membrana timpânica e aspiração da secreção no ouvido médio. Em seguida introduzimos o tubo de ventilação através desta incisão. Abaixo o vídeo do procedimento.

 

A melhora auditiva costuma ser imediata, com os pacientes referindo grande alívio logo após o procedimento.

Como é o pós-operatório?

A recuperação do procedimento costuma ser muito boa. No caso das crianças submetidas a anestesia geral, são necessárias 2 ou 3 horas para a recuperação completa do torpor e desorientação causados pela medicação anestésica.

O maior cuidado a partir deste momento é impedir a entrada de água nos ouvidos. Como os ouvidos ficam “abertos”, a entrada de água contaminada poe causar infecções.

Após a cicatrização que dura alguns dias realizamos uma audiometria para avaliar a recuperação da audição.

Quais as complicações possíveis?

A colocação do tubo de ventilação é um procedimento muito comum e seguro, entretanto não está livre de algumas raras complicações como a permanência de uma perfuração timpânica após a saída do tubo, infecções repetidas e drenagem de secreção pelo tubo.

O mais importante é o acompanhamento após a saída dos tubos, através de exames do ouvido e da audiometrias, para nos certificarmos que os problema anteriores não voltaram a acontecer.