De Paris – Um artigo recém publicado na edição eletrônica da revista Laryngoscope apresenta novas evidências sobre as escolhas técnicas mais adequadas para preservação da audição residual na cirurgia do implante coclear.

A medida que os resultados dos implantes vão se mostrando melhores – mesmo em pacientes que ainda têm algum nível residual de audição – a preocupação com a preservação destes restos auditivos torna-se crescente. Embora o conceito da soft surgery não seja novo, faltam evidências científicas mostrando quais as melhores maneiras de atingir essa preservação.

No novo artigo dos pesquisadores norte-americanos, uma análise retrospectiva de 225 implantes demonstrou que o uso de eletrodos posicionados na parede lateral da cóclea (mais distantes das estruturas neuronais) propiciou um maior nível de preservação, em relação aos eletrodos perimodiolares (posicionados mais próximos ao nervo auditivo). Esse achado não teve relação com a marca dos implantes utilizados, apenas com seu design.

O estudo também conclui que a introdução dos eletrodos através da janela redonda proporciona maiores níveis de preservação auditiva no longo prazo, quando comparado à inserção via cocleostomia.

Um terceiro achado – embora com menor evidência – sugere que o uso de corticoides orais usados após a cirurgia também pode ser um fator de preservação.